Cursos

Teologia on-line

Curso de apologética

Contador

  • visitantes: 42,948
  • Últimas 24 horas: 48

O Que Aprendo de Deus Olhando o Universo

Por Eguinaldo Hélio de Souza

 

O apóstolo Paulo escreveu em sua magnífica epístola à igreja de Roma: “pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas.” (Romanos 1.19, 20)

Com isso ele quer dizer que basta olhar o cosmo, basta contemplar a natureza, e fatos a respeito de quem é Deus saltarão dali. O ateu é antes de tudo um rebelde, alguém que procura razões para negar a Deus. Como escreveu Agostinho: “Ninguém nega a Deus, senão aquele a quem lhe convém que Deus não exista”. Por esse mesmo motivo Richard Dawkins, apóstolo do ateísmo moderno disse que a “biologia é o estudo de coisas complicadas que dão a aparência de terem sido planejadas com um propósito” (Richard Dawkins, O relojoeiro cego). Ele não quer ver.

Não é mera aparência. Tudo foi planejado com um propósito. É preciso cobrir todos os sentidos com o véu da negação para não perceber isso. Há um grito que emerge de tudo o que existe, uma Voz que ninguém cala, revelando um Deus por trás da criação. Nela aprendemos tantas coisas sobre Deus.

Primeiro, existe um Criador. Não há criação, nem criatura sem alguém que lhe deu origem. Isso não é senso comum, é bom senso. O nada não pode gerar nada.

Segundo. Esse Criador é vivo. A não-vida não gera vida. Pedras não parem porcos. Nem sequer o musgo. Só seres vivos produzem seres vivos. Esse criador tem vida.

Terceiro. Essa vida é uma vida consciente. Mais. Auto-consciente. O ser humano, esse animal fantástico, que se percebe a si mesmo, não pode ter se originado de seres que não se percebem a si mesmo. Não importa o que digam os evolucionistas, os behavioristas, os naturalistas. Mesmo eles sabem que semelhanças biológicas e comportamentais não são suficientes para nos rebaixar à categoria das bestas. Há algo mais. Quem me fez com certeza está acima de mim, não abaixo.

Quarto. Esse Ser é imensurável. Pelo menos em algum sentido, criadores são superiores às suas criações. O mais fantástico computador sequer existiria sem a mente que o concebeu. A fantástica máquina do Universo foi concebida antes de ser gerada. Não há como não haver uma mente por trás do Cosmo. Não há como essa Mente não ser imensurável.

Quinto. Esse Ser imensurável é imensuravelmente poderoso. Ele não apenas concebeu, ele produziu o Universo que eu contemplo. Um homem poderoso não é aquele que tem ideias, mas aquele que as concretiza. Este mundo concreto é a maior testemunha do poder de Deus. Chamá-lo de El-Shadai é nomear o óbvio.

Sexto. Esse Criador é sábio, em uma medida que não pode ser descrita sem o termo onisciência. Ele não apenas sabe, mas sabe tudo. Todo o avanço científico não passou de mera cópia. Voar como os pássaros, nadar como peixes, combater as doenças como as vacas combatem. A complexidade encontrada no universo, também é encontrada na célula e no átomo. Se o homem se deslumbra com isso, porque não deslumbra-se com Quem pensou tudo isso?

Por fim, Ele sem dúvida é muito bom. O sabor dos alimentos, o perfume das flores, a beleza do mundo. Ele fez tudo belo. Beleza e bondade se confundem e Nele se fundem. Quem ama a arte, mais do que ninguém, deveria amar o Artista. Qualquer pintor ficaria ressentido se eu apreciasse sua obra e negasse o talento dele e mais ainda sua existência. Não há arte sem artista.

Sim, temos que concordar com o apóstolo. Quem se recusa a perceber tais evidências, permanece indesculpável.

Comments are closed.